SGROFT, HERÉTICA OU NINGUÉM
Sgrof, Herética ou Ninguém

Sgroft e Herética somos eu, você, todos à nossa volta ou, talvez, ninguém. “Ninguém” sendo a distância do que não se sabe e do que não se admite não saber. Uma máquina defeituosa que nos recusamos diariamente a consertar, peças de um equipamento que nem sequer admitimos a necessidade de ajustar.

 

Um homem e uma mulher se encontram para efetivar um negócio, e mergulham, através do trivial, do aparentemente filosófico e da metalinguagem, no mundo da superficialidade das relações humanas, do distanciamento entre as pessoas e do vazio resultante disso.

 

Fruto de uma sociedade que busca uma maturidade social, o ser humano moderno e inteligente cria para si preceitos que supostamente deveriam aproximá-lo mais de um conceito mais preciso de si mesmo, mas que o afastam cada dia mais de sua essência animal, frágil e vulnerável às adversidades da vida.

 

Oscilando entre os limites do ridículo, do primordial e do intelectual, Sgroft e Herética espelham uma sociedade explicitamente neurotizada, confusa e vulnerável, que busca se fortalecer criando para si normas que, na verdade, acabam gerando um distanciamento cada vez maior entre as pessoas - um abismo entre elas e o mais íntimo que existe delas mesmas.

 

O medo do ridículo, a necessidade de auto-afirmação e a competitividade em uma sociedade que transforma pessoas em índices estatísticos de mercado, acabam criando figuras que são quase uma aberração, caricaturas de si mesmas.

 

Sgroft e Herética se jogam em um universo onde o seu bicho interno, explícito e vivo duela a todo momento com a projeção externa que eles criaram para si mesmos. E geram, com isso, um sentimento que oscila entre o riso e o grito, de forma a, subliminarmente, nos lembrar que o bicho interior que grita e incomoda não é necessariamente uma falha de caráter. Pode ser nossa sensibilidade esquecida que está pedindo licença para sair e respirar.

 

SINOPSE

 

O caos interior toma vida e celebra sua liberdade durante uma reunião de negócios aparentemente insípida.

 

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

 

DRAMATURGIA E DIREÇÃO: Carlos Canela

ELENCO: Jerry Magalhães e Suzana Markus

PREPARAÇÃO CORPORAL: Jeane Doucas e Fábio Furtado

TRILHA SONORA: Gilberto Mauro

PRODUÇÃO e PROGRAMAÇÃO VISUAL: Suzana Markus

FIGURINOS: Ricca

MAQUIAGEM: Elizinha Silva

CENÁRIO: Criação Coletiva

CENOTÉCNICO: Nilson Santos

FOTÓGRAFO: Guto Muniz

ILUMINAÇÃO: Núcleo Técnico de Artes Cênicas

ILUMINADOR [CRIAÇÃO]: Wladimir Medeiros [NUTAC]

OPERADOR DE ILUMINAÇÃO: Marco Antônio Machado Lara

ASSISTENTE DE CRIAÇÃO: Cristiano Medeiros

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO / CONTRA REGRA: Fábio Furtado

CONCEPÇÃO E EDIÇÃO DE IMAGENS: Carlos Canela

 

CURRÍCULO DO ESPETÁCULO

 

1ª temporada – novembro de 2009

 

Data: 06 a 29 de novembro de 2009 (6ª a Domingo)

Horário: às 20 horas

Local: Espaço Carabina – Rua Mucuri, 245 – Floresta

 

2ª temporada – Março de 2010

 

Datas e horários: 22/03 às 20 h, 23/03 às 21 h

e 24/03 às 20:30 h

Local: Teatro Marília

 

3ª temporada – abril a maio de 2010

 

Data: 15 de abril a 09 de maio de 2010 (5ª a Domingo)

Horário: às 20 horas

Local: Teatro Marília

Selecionado no edital público de ocupação do teatro Marília.

Vencedor do prêmio de melhor cenário no 7º Prêmio Usiminas Simparc 2010.

 

PARTICIPAÇÃO EM FESTIVAIS

 

FIT-BH / 2010

 

Datas e horários: 13/08 às 19:30 h, 14/08 às 18:30 h e 15/08 às 19 h

Local: Teatro Dom Silvério – Chevrolet Hall

 

Festival Nacional de Teatro de Itaúna / 2010

 

Data: 21 de outubro de 2010

Horário: às 20 horas

Local: Teatro Vânia Campos – Itaúna MG

 

Festival Nacional de Teatro de Juiz de Fora / 2011

 

Data: 08 a 10 de setembro de 2011

Horário: às 23 horas

Local: Espaço Diversão e Arte

GALERIA DE FOTOS

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

FRAGMENTOS DO ESPETÁCULO